“Isto não é sobre mim, é sobre eles!”

– Gustavo Carona

Da minha dor, frustração e revolta, nasceu a vontade de ser médico para um dia poder ajudar outras pessoas a poder sonhar, já que o meu sonho estava perdido.
Da vontade de ser médico nasceu a vontade de salvar vidas.
E da vontade de salvar vidas, nasceu a vontade de olhar para o mundo.
E ao olhar para o mundo nasceu a vontade de dar voz a quem devia ter e não tem.

Saí de casa e deixei tudo para trás com lágrimas nos olhos, por acreditar que os meus saberes tinham que ser postos ao serviço de quem mais precisa. E com vontade de salvar vidas descobri um mundo que a maioria insiste em fingir que não existe. Nas minhas acções tento ser o melhor médico possível, nas minhas palavras carrego histórias de vida que explicam as maiores catástrofes humanitárias dos nossos dias. Muitas são tristes outras alegres, mas o ímpeto que nasce em nós de ser melhor é pura felicidade.

Estava a fazer uma viagem paradisíaca por África depois da minha missão na RDCongo. Sozinho no autocarro li num guia da “Lonely Planet” que a guerra do Congo já tinha acabado. Comecei a chorar compulsivamente com as imagens das pessoas que eu vi a sofrer o inimaginável a propósito do pior conflito das últimas décadas. Prometi a mim mesmo, que nem que fosse apenas para a minha família e amigos, tudo ia fazer para que o mundo conhecesse estas pessoas. Aqui nasceu o sonho de escrever as minhas memórias e as minhas emoções em nome das vidas que estiveram nas minhas mãos.

Sempre que falo em público fico nervoso, porque sinto uma enormíssima responsabilidade na minha vontade de falar em nome de tantos que não têm voz. Penso nas bombas a cair, nas pessoas que me morreram nas mãos, e no quão injusto é o mundo por não querer saber. Engulo a minha revolta, esforço-me para que não seja sobre mim, mas sim sobre eles, e abro o meu coração. Falo para que ouçam as vozes que trago dentro de mim, mas também na esperança que tantos outros possam fazer mais e melhor para tonar este mundo mais bonito.

blogue

Não finjam que não sabem

Eu gostava de vos convidar a vir comigo. É uma viagem bonita, é uma viagem ao coração da humanidade, e não é longe, é logo ali ao virar da esquina. Tenho a certeza que já foram mais longe, mesmo que apenas nos vossos pensamentos. Agora venham aqui: Lalibela. Conhecem? É...

1. Regresso aos Médicos Sem Fronteiras

Regresso aos Médicos Sem Fronteiras, regresso à região dos grandes lagos no leste de África. Já tinha planeado com os MSF fazer 3 missões de seguida, mas com intervalos de descanso no meu Porto seguro. Primeiro Burundi, depois Iémen, e depois Faixa de Gaza. Foi a primeira vez que concertei...

12. Deixei um Pedaço de Mim

Para mim a definição de missão, é o que sobra do trabalho. É algo que se sente. É algo que nos envolve a 360º, e 24 horas por dia. É sentir que não contamos as horas que trabalhos, nem sabemos se e quanto vamos ganhar. É sentir que o nosso...

11. Filtro do nosso olhar

Quando nos põem um palmo de gente, de dois meses nas mãos, é impossível não sentir o coração a tremer. O bebé estava bastante doente, e entendemos a cirurgia como uma inevitabilidade. Muito arriscada, mas inevitável. A grande prioridade do nosso hospital dos Médicos Sem Fronteiras eram os feridos de...

Será mesmo que o hábito faz o monge?

Não sei bem porque nunca contei esta história, mas acho que perceberão a importância de a contar agora. Parece que há coisas nas nossas memórias que vão ganhando força com o tempo, e este pedaço do meu passado é uma delas. Quando acabei a especialidade de Anestesiologia, e antes de...

10. Sabores de Esperança

Há momentos que nos transcendem. Há momentos que fazem tudo valer a pena, e há momentos de uma intensidade emotiva que nos fazem querer desistir de simplesmente tudo. Contar uma história tem um poder infinito. E como todos os superpoderes, tem que ser usado com bondade, porque se não o...