By

gustavocarona-admin
Quando nos põem um palmo de gente, de dois meses nas mãos, é impossível não sentir o coração a tremer. O bebé estava bastante doente, e entendemos a cirurgia como uma inevitabilidade. Muito arriscada, mas inevitável. A grande prioridade do nosso hospital dos Médicos Sem Fronteiras eram os feridos de guerra. Acho difícil que em...
Read More
Não sei bem porque nunca contei esta história, mas acho que perceberão a importância de a contar agora. Parece que há coisas nas nossas memórias que vão ganhando força com o tempo, e este pedaço do meu passado é uma delas. Quando acabei a especialidade de Anestesiologia, e antes de começar a especialidade de Medicina...
Read More
Há momentos que nos transcendem. Há momentos que fazem tudo valer a pena, e há momentos de uma intensidade emotiva que nos fazem querer desistir de simplesmente tudo. Contar uma história tem um poder infinito. E como todos os superpoderes, tem que ser usado com bondade, porque se não o seu poder destructivo é também...
Read More
Nunca como em Mosul senti que estava a viver tão intensamente. A sensação de que a escassos quilómetros de onde eu estava, os bombardeamentos eram constantes, e que centenas de milhares de pessoas estavam sequestradas pelo Estado Islâmico, num cerco que eram as linhas da frente do combate, tornavam o nosso dia-a-dia numa estranha sensação...
Read More
No dia em que entrei pela primeira vez no bloco operatório tive que impor a minha opinião de uma forma que não é frequente: “É da perna. Vocês vão ter que lhe cortar a perna.”, disse eu com firmeza. Nem tivemos tempo para perceber bem o que tinha acontecido, um homem grande e gordo na...
Read More
Quem é que nunca pensou em desistir? Nós estamos a lutar em demasiadas frentes e estamos cada vez mais sozinhos. “Nós” os profissionais de saúde, “nós” os que cumprimos as regras definidas para o bem comum, “nós” que percebemos que temos que saber perder para depois ganhar. Ganhar em humanidade, ganhar em vidas, ganhar em...
Read More
Nós não tivemos tempo de lamber as feridas. É evidente que estamos numa segunda vaga, e não estamos preparados. Não estivemos, não estamos e talvez nunca fosse possível estarmos. É um problema de saúde pública que só se controla a montante dos hospitais. É um Tsunami silencioso que passa por toda a gente sem se...
Read More
Regresso de uma missão. Ainda estou a pensar de que mundo é que eu vim, e em que mundo é que eu estou. Ainda sinto o cheiro a sangue, a dor, a morte e a sofrimento. Ainda ouço os gritos. Ainda sinto uma injustiça tremenda pelo que o meu coração carrega do Iraque, e o...
Read More
Desisti. Na minha 12a missão encontrei o meu limite e desisti. Foi das decisões mais dolorosas da minha vida. Fiquei destroçado, com o coração em pedaços tão pequeninos que julguei não ser possível alguma vez voltar a juntá-los todos. Senti que estava a ir contra tudo o que eu mais amo, mais idolatro, e que...
Read More
Era tão fácil deixá-lo morrer. Era tão mais fácil. Era só mais um e ninguém está a contar. E se estiverem a contar quanto é que vale uma vida diluída em milhares de vidas perdidas por esta guerra? Estou cansado. Estou exausto na verdade. Noites mal dormidas com o calor, com o barulho das kalashnikovs...
Read More
1 2 3 14